Blog | Onde jurídico é investimento

Confira 3 razões para adotar o Big Data na área jurídica

19/8/2021

As soluções que usam a análise de dados do Big Data têm sido adotadas por várias áreas de conhecimento, sobretudo pela facilidade que trazem para a filtragem, organização e apresentação de informações. Em síntese, essa tecnologia capta tudo que está disponível no mundo online, construindo um grande banco de dados — como já explicamos aqui. Para o setor jurídico, isso significa a concentração de inúmeras informações processuais, em qualquer área e grau de jurisdição.  

Hoje em dia, qualquer organização precisa analisar dados antes de tomar decisões. Uma pesquisa realizada pela consultoria global de negócios Bain & Company mostrou que:

  • As empresas com capacidades analíticas avançadas possuem duas vezes mais chances de estarem entre as de melhor desempenho financeiro;
  • São cinco vezes mais propensas a tomar decisões mais rápidas;
  • Têm três vezes mais chances de executar tarefas conforme programado.

O Big Data, então, surge como um facilitador para o dia a dia dos profissionais do Direito. Alguns órgãos públicos, por exemplo, já usam essa solução para organizar e automatizar informações processuais. Do mesmo modo, escritórios e departamentos jurídicos também são beneficiados com essa tecnologia. A seguir, listamos alguns motivos para adotar o Big Data na área jurídica.

1. Torna o trabalho mais ágil e dinâmico

Enquanto o processamento de dados realizado por humanos pode demorar horas e comprometer a rotina e a produtividade do departamento jurídico, os computadores conseguem fazer o mesmo trabalho em questão de minutos. Afinal, a Inteligência Artificial (IA) é capaz de ler textos e dados oriundos do Big Data com velocidade inquestionavelmente superior.

Desse modo, a tecnologia pode substituir as tarefas mais simples, repetitivas e burocráticas do dia a dia do advogado. Ademais, com todos os dados disponíveis no Big Data, o profissional tem mais tempo para analisar o contexto dos processos e criar uma estratégia de ação.

2.  Melhora no direcionamento sobre como proceder em determinadas situações

As informações coletadas pelo Big Data e traduzidas por um software específico contribuem na percepção sobre como proceder em uma demanda, permitindo melhor análise de processos, do comportamento de juízes, de tribunais e de outros advogados. Neste sentido, a solução da Deep Legal, por exemplo, consegue indicar com 85% de acerto se uma decisão será dada de modo favorável ou contrária à necessidade do cliente.

Vamos supor que a empresa deseja saber se vale a pena investir na segunda instância ou aceitar um acordo. Ao fazer uma análise manual, o departamento jurídico poderia levar um bom tempo para levantar informações sobre casos semelhantes para chegar a esse tipo de resposta. Porém, com a tecnologia de Big Data, é possível criar um banco de ideias em poucos minutos. Então, através da jurimetria, os dados indicam a probabilidade de um processo ter ganho de causa para o requerente ou para o requerido. Da mesma forma, apontam quais são as melhores teses aceitas pelos magistrados e quais as chances para realização de um acordo.


3. Proporciona mais qualidade no trabalho dos advogados e juízes

À medida que advogados e magistrados podem acessar livremente as informações de processos anteriores, é possível utilizar esses dados como um grande cérebro jurídico. Dessa forma, extraindo informações relevantes com muito mais agilidade e aprimorando, com IA, a inteligência natural dos profissionais do meio jurídico.  

De acordo com o relatório Justiça em Números, divulgado em 2020 pelo Conselho Nacional de Justiça, houve um significativo aumento da produtividade dos profissionais de Direito. De acordo com a pesquisa, cada magistrado brasileiro baixou, em média, 2.107 processos em 2019. Entre os servidores, o índice de produtividade aumentou 14,1% com relação a 2018. E, segundo o CNJ, isso se deu pelo avanço da informatização no judiciário.

Adotar um modelo tecnológico no setor jurídico pode ser desafiador, mas é fundamental. Para entender como é possível implementar uma cultura data driven na gestão jurídica, leia o artigo sobre os primeiros passos sobre cultura data driven.



[e-book] O ROI de um Legal Analytics
O ROI ou Retorno Sobre o Investimento, é uma métrica que permite saber se determinado investimento está trazendo lucros ou prejuízos ao seu negócio. Aqui, você conhecerá exemplo de resultados na aplicação de um Legal Analytics no seu jurídico.
Baixar e-book grátis
Dados, insights, inspiração.
Acompanhe as melhores notícias sobre Legal Analytics.
Obrigado por se cadastrar!
Oops! Algo deu errado, tente novamente.
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Deep Legal
Inteligência analítica para parceiros
Legal Analytics para consultorias, empresas de
tecnologia e advogados que queiram aprimorar
a experiência do cliente e alcançar o sucesso.
Veja como
DEEP LEGAL TECNOLOGIA DE DADOS E INFORMAÇÃOESTRATÉGICA LTDA
Rua Luis Seraphico  Júnior, 511 - Coworking Cj 51  - Chácara Santo Antônio - São Paulo/SP