Blog | Onde jurídico é investimento

COMO A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL AGILIZA ATIVIDADES DE ÓRGÃOS PÚBLICOS

25/6/2021

Soluções tecnológicas como robôs e machine learning os auxiliam a aprimorar as ações pelo bem estar público.

A inteligência artificial (IA) consiste, basicamente, em um mecanismo computacional que simula o comportamento humano como padrão para “ensinar” as máquinas a resolverem um determinado problema. Assim como acontece com o cérebro humano, elas são condicionadas à execução de tarefas e permanecem em constante autoaprendizado. E, assim como vem ocorrendo em outras áreas do mercado, os órgãos judiciais e governamentais têm utilizado a IA para contribuir com agilidade e coerência no processo de tomada de decisão.

Enquanto alguns operam de maneira experimental, outros já se encontram em plena atividade. Dessa forma, aceleram o andamento de processos e eliminam ações repetitivas no sistema judicial. Entre as vantagens do uso da inteligência artificial estão, por exemplo, a classificação de casos e a previsão de decisões.

Exemplos de Inteligência Artificial na Justiça

Duas ferramentas criadas através dessa tecnologia ganham grande destaque na área: robôs e machine learning. Assim, com o auxílio da IA, as máquinas têm a capacidade de aprender sozinhas com grandes volumes de dados. E isso é feito por meio de algoritmos e Big Data.

A partir daí elas identificam padrões e criam conexões para executar tarefa sem a ajuda humana e de forma inteligente. Como resultado, auxiliam em varreduras de licitações e editais, procurando possíveis irregularidades, por exemplo.  

Desta forma, esses recursos aumentam a eficiência dos auditores e demais envolvidos e também diminuem erros, resultando em produtividade. Além disso, as ferramentas permitem que as entidades façam uma análise de riscos, probabilidades, e otimizem resultados.

Tribunais, Ministérios e CGU são alguns dos órgãos que fazem o uso da IA para aprimorar as ações pelo bem estar público. Vamos conferir o que vem sendo feito por aí nesse sentido.

TCU

No Brasil, o Tribunal de Contas da União (TCU) foi pioneiro em inovações no segmento. Nomeados de “Mônica”, “Sofia” e “Alice”, os robôs passaram a colaborar na rotina do órgão ao identificar e combater irregularidades. Mônica (Monitoramento Integrado para o Controle de Aquisições) permite a visualização de dados, como informações do órgão contratante e os fornecedores que são mais contratados. Sofia (Sistema de Orientação sobre Fatos e Indícios para o Auditor), por sua vez, atua em fatos e indícios de irregularidades. Já Alice (Análise de Licitações e Editais) analisa editais de licitações feitos por órgãos federais.  

STF

Maior instância do Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal (STF) usa IA para elevar a eficiência e a velocidade da avaliação judicial que chega à Corte. Desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), o sistema chamado “Victor” – em homenagem ao ministro Victor Nunes Leal – separa e classifica as peças processuais mais utilizadas nas atividades do STF. Além disso, também converte imagens em textos no processo digital, localiza documentos no acervo do Tribunal, e ainda identifica temas de repercussão geral de maior incidência na Corte. Segundo o STF, tarefas que os servidores do Tribunal levam em média 44 minutos para realizar, passaram a ser feitas em cinco segundos pelo Victor.

Ministério da Transparência e CGU

Neles, um sistema foi implantado via machine learning para encontrar indícios de desvios na atuação de servidores. Para isso, lista critérios determinados — como filiação a partidos ou participação na sociedade de uma empresa, por exemplo — e inclui também a identificação de funcionários antigos punidos por atos ilícitos.  

TJ

Em Pernambuco, o Tribunal de Justiça criou um sistema para analisar os processos de execução fiscal de Recife. Dessa forma, o robô Elis classifica os processos ajuizados em relação às divergências cadastrais, competências diversas e eventuais prescrições. Na sequência, pode inserir minutas no sistema e até mesmo assinar despachos, se determinado pelo magistrado. Sua importância é demonstrada nos levantamentos do TJPE. São cerca de 375 mil processos com a expectativa de ajuizamento de mais 80 mil feitos no decorrer do ano. A triagem e movimentação desse volume de processos por servidores consumiria 18 meses. Já com Elis, a mesma tarefa é realizada com maior eficiência e em apenas 15 dias.

Tendência mundo afora  

Além das ferramentas de sucesso no Brasil, outros casos de sucesso envolvendo inteligência artificial já rodam o mundo. No Reino Unido, os Tribunais Civis adotaram soluções on-line em causas no valor de até £25 mil. Essa solução foi criada com o intuito de desafogar o sistema. O modelo de resolução de disputas on-line (ODR) prevê um processo de três níveis. Primeiro, avaliação por meio de serviços e informações interativas. Depois, negociação com “facilitadores” on-line. E, finalmente, se o acordo não for alcançado, resolução por um juiz treinado. Além disso, julgamentos do juiz on-line seriam executáveis como qualquer julgamento do tribunal.

Seguindo esta linha, a Estônia estuda formas de substituir os juízes por robôs em pequenas causas. Já a China vem testando nos últimos dois anos o uso de robôs para substituir o próprio juiz. Segundo a Suprema Corte chinesa, em 2019 mais de 118 mil casos foram julgados dessa maneira numa corte de Hangzhou. A audiência, nesses casos, ocorre por conferência de vídeo.

Os exemplos bem-sucedidos citados comprovam que a inteligência artificial já é uma ferramenta extremamente útil aos órgãos governamentais, com destaque no âmbito jurídico. No entanto, apesar de compilar dados, decisões e aprender com estes resultados, as máquinas só sabem o que o banco de dados permite. Diferentemente do ser humano, que aprende com erros e acertos, sentimentos, interação humana e outras características.

No Brasil, a principal fonte para alimentar os programas de IA é o acervo de quase 110 milhões de causas que tiveram início em versão digital a partir de 2008 no país. Portanto, acompanhar a evolução da tecnologia e se adequar é o que vai diferenciar os profissionais de sucesso em um futuro muito próximo. Mas para se tornar um advogado 4.0 é preciso promover mudanças relevantes na gestão e rotina de trabalho. Clique aqui e entenda como isso pode ser possível.

[e-book] O ROI de um Legal Analytics
O ROI ou Retorno Sobre o Investimento, é uma métrica que permite saber se determinado investimento está trazendo lucros ou prejuízos ao seu negócio. Aqui, você conhecerá exemplo de resultados na aplicação de um Legal Analytics no seu jurídico.
Baixar e-book grátis
Dados, insights, inspiração.
Acompanhe as melhores notícias sobre Legal Analytics.
Obrigado por se cadastrar!
Oops! Algo deu errado, tente novamente.
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Deep Legal
Inteligência analítica para parceiros
Legal Analytics para consultorias, empresas de
tecnologia e advogados que queiram aprimorar
a experiência do cliente e alcançar o sucesso.
Veja como
DEEP LEGAL TECNOLOGIA DE DADOS E INFORMAÇÃOESTRATÉGICA LTDA
Rua Luis Seraphico  Júnior, 511 - Coworking Cj 51  - Chácara Santo Antônio - São Paulo/SP