Blog | Onde jurídico é investimento

LEGAL OPERATIONS: O QUE É E POR ONDE COMEÇAR

9/11/2021
por Vanessa Vilarino Louzada
___



Não é novidade que tornou-se necessário deixar o Direito tradicional para trás e abraçar as novidades propagadas pelas dezenas de inovações que têm impulsionado o Direito.

O Legal Operations, conceito que vem ganhando cada vez mais espaço, surgiu a partir da evolução do mercado jurídico, com os impactos da tecnologia que afetam a sociedade como um todo e consequentemente impulsionam o Jurídico a ser cada vez mais estratégico.

Com isso, o conceito mais tradicional de Legal Operations é a consolidação de todos os fluxos de atividade fundamentais para o funcionamento de um escritório ou departamento jurídico, deixando com a área técnica, apenas o que for da esfera legal, coordenado por um CLOO (Chief Legal Operations Officer) que atua com o objetivo de otimizar a eficiência e a qualidade dos serviços jurídicos.

Uma pesquisa feita pela Thomson Reuters em junho de 2020, com 223 departamentos jurídicos, incluindo 81 empresas da Fortune 100, constatou que 81% dos entrevistados já estruturaram o legal operations, representando um salto de 24 pontos percentuais em comparação à pesquisa feita no ano anterior.

Além de tornar as operações mais eficientes, o Legal Operations, aproxima o jurídico das outras áreas e do core business, na medida em que permite ao departamento jurídico demonstrar seu valor e contribuir com dados relevantes para a tomada de decisões estratégicas do negócio.

As responsabilidades deste departamento são diversas e podem ser aplicadas de formas diferentes para escritórios e departamentos jurídicos, mas, segundo o CLOC, Corporate Legal Operations Consortium*, há uma definição em 12 grupos de competências essenciais, as denominadas CLOC Core 12:



  • Business Intelligence;
  • Gestão Financeira;
  • Gestão de Firmas e Fornecedores;
  • Governança da Informação;
  • Gestão do conhecimento;
  • Otimização e Saúde da Organização;
  • Operações Práticas;
  • Gerenciamento de Projetos/Programas;
  • Modelos de Prestação de Serviços;
  • Planejamento Estratégico;
  • Tecnologia;
  • Treinamento e Desenvolvimento.

Estruturar o Legal Operations, seguindo essas competências, não é uma tarefa simples, bem como também não se deve ter em mente ser possível fazer tudo ao mesmo tempo. Então, a recomendação é escolher uma área e combinar os fatores "eficiência" e “economia”. Para isso ocorrer, dê pequenos passos.
Abaixo um pequeno roteiro para que você possa avaliar sua organização, os fluxos de atividades, as tecnologias utilizadas, engajamento dos colaboradores e outros para começar a implementar esse conceito:

Comece pelo que você tem hoje

  • Qual área existe ineficiência de operações e onde o dinheiro está sendo mal empregado?
  • Qual seu nível de organização?
  • Como estão seus fluxos operacionais?
  • Quais os perfis dos gestores do seu time?
  • Quais as ferramentas tecnológicas você possui para a execução dos projetos?
  • Quais critérios você usa para ouvir as pessoas da sua organização?

Erre rápido, aprenda e inove.

  • Quais novas soluções você está conhecendo e testando?
  • Quais as metodologias você conhece?
  • Como você está aprendendo com as inovações trazidas pelo mercado?
  • Como você endereça e resolve seus problemas de ordem prática?
  • Você explora os dados? Que tipo de pergunta faz e o que faz com as respostas
  • Quais discussões de fato criam valor?

Gerencie a mudança

  • Quais são as etapas que você pode identificar em seu negócio?
  • Quais são seus indicadores de Key Performance Indicators (KPIs) para entender se está no caminho certo?
  • Como fazer um fluxo mais linear (sem atritos de informações)?
  • Como adquirir, melhorar, trocar a tecnologia existente para que ela sirva a todos os propósitos que o departamento precisa, inclusive no que tange a gerenciar os terceirizados e as demais áreas da empresa (fluxos de demanda, etc)?
  • Como automatizar tarefas repetitivas, economizando material humano para algo mais pensante e racional?
  • Como criar métodos que proporcionem resultados práticos?
  • Que tipo de experiência você quer proporcionar para o seu cliente?

As competências de Legal Operations, são um meio necessário para fortalecer o Jurídico, com engajamento e otimização de recursos, sempre acompanhando as transformações sociais que impactam o Direito.

No vídeo abaixo, você pode assistir ao depoimento de gestores pelo mundo que já adotaram o Legal Operations:

____________________________
*O CLOC é uma associação global de profissionais de legal operations que atuam de forma colaborativa para aprimorar a entrega de serviços jurídicos e estabelecer diretrizes para a área. A instituição foi fundada em 2016 e atualmente é presidida por Mary O´Carroll, Diretora de Legal Operations no Google LLC.



[e-book] O ROI de um Legal Analytics
O ROI ou Retorno Sobre o Investimento, é uma métrica que permite saber se determinado investimento está trazendo lucros ou prejuízos ao seu negócio. Aqui, você conhecerá exemplo de resultados na aplicação de um Legal Analytics no seu jurídico.
Baixar e-book grátis
Dados, insights, inspiração.
Acompanhe as melhores notícias sobre Legal Analytics.
Obrigado por se cadastrar!
Oops! Algo deu errado, tente novamente.
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Deep Legal
Inteligência analítica para parceiros
Legal Analytics para consultorias, empresas de
tecnologia e advogados que queiram aprimorar
a experiência do cliente e alcançar o sucesso.
Veja como
DEEP LEGAL TECNOLOGIA DE DADOS E INFORMAÇÃOESTRATÉGICA LTDA
Rua Luis Seraphico  Júnior, 511 - Coworking Cj 51  - Chácara Santo Antônio - São Paulo/SP