Blog | Onde jurídico é investimento

EMPREENDEDORES DESENVOLVEM SOFTWARE QUE MONITORA E PREVÊ RESULTADOS DE AÇÕES JUDICIAIS

24/11/2021

Por Lara Castelo – PEGN 08.04.21

Raul Figueiredo, 48, é de Marília, interior de SP, e Ricardo Rezende, 48, é do Piauí. Eles se conheceram na faculdade de engenharia em Campinas, na década de 1990, e se tornaram grandes amigos. Após concluir o curso, Figueiredo foi fazer MBA na Suíça e, mais tarde, voltou ao Brasil para se tornar vice-presidente da General Electric da América Latina. Já Rezende voltou ao Piauí, e trabalhou como diretor da Receita Federal do Estado durante alguns anos.

Os dois sempre se interessaram muito por programação e por dados. Sabendo disso, a cunhada de Figueiredo, que é advogada, perguntou se ele poderia desenvolver um software para ajudá-la no uso de correspondentes jurídicos. Assim, ele percebeu a quantidade de dados disponíveis no segmento que não estavam sendo usados e encontrou uma oportunidade de negócio.

Junto ao amigo, Figueiredo montou uma pequena empresa de software de análise jurídica, em paralelo ao seus trabalhos principais. O foco principal do negócio era, a partir da análise de dados, prever resultados no âmbito jurídico.

Em paralelo à história dos amigos, Vanessa Louzada, 41, natural de Rondônia, trabalhava em São Paulo como advogada e era sócia de um escritório focado em direitos difusos, societário e recuperação de crédito. Além disso, tinha contato com o “Anjos do Brasil”, como investidora-anjo e dando mentorias jurídicas aos empreendedores do projeto.

Interessada por empreendedorismo e tecnologia, ela via no meio jurídico um potencial inexplorado. “No Brasil, tem mais de um milhão de advogados e 800 mil bacharéis em direito, é um mercado gigante. A quantidade de processos e dados é absurda”, conta a empreendedora.

Vanessa sugeriu para Rosely Cruz, sua sócia da época, a criação de um software que, por meio da análise de dados, entregasse insights inteligentes de uma forma simples. Elas contrataram desenvolvedores para tocar o projeto, mas perceberam que ainda era necessário um aprofundamento no monitoramento e automação de dados.

Em 2018, por meio do projeto “Anjos do Brasil”, Vanessa descobriu o software de predição de dados jurídicos que Figueiredo e Rezende estavam desenvolvendo e propôs um trabalho em grupo. Nasceu, assim, a Deep Legal.

Logo no começo da empresa, Vanessa decidiu sair do escritório de advocacia no qual trabalhava para focar totalmente na nova empresa. “Eu vi a oportunidade de transformar o ambiente jurídico, tão tradicional e fechado, em algo mais voltado para dados e tecnologia, o que me motivou muito”, explica a empreendedora. Figueiredo e Rezende fizeram o mesmo.

Contrataram mais programadores e, em 2019, inauguraram a Deep Legal para o mercado. À princípio, a empresa oferecia três produtos principais: O “Monitor”, responsável pelo monitoramento dos dados, o “Compare”, que comparava a performance dos juízes e advogados e o “Predict”, que analisava qual parte tinha mais chance de ganhar ou perder os processos.

“A coleta de dados é feita por 200 robôs, que entram toda semana nos sites da justiça, da primeira e da segunda instância, do Brasil inteiro, nas áreas civil e trabalhista. As buscas são feitas através dos números dos processos, do CNPJ das partes e dos nomes dos juízes. Assim, os algoritmos fazem os agrupamentos e nos mostram os resultados”, explica Louzada.

Atualmente, a empresa conta com uma equipe de 14 pessoas, entre desenvolvedores de sistema e profissionais de marketing e serviços ao consumidor. Os principais clientes são empresas e escritórios de advocacia de grande e médio porte, em sua maioria localizados em São Paulo.

A lawtech acerta 84% das previsões judiciais e analisa, por mês, 500 mil novos processos. O faturamento mensal é de R$ 350 mil, em média.

Durante a pandemia, com o crescimento do mercado digital, a Deep Legal dobrou em tamanho e cresceu 4,5 vezes em faturamento. “Todas as áreas da nossa vida são digitais e a necessidade de transformação também afetou o mercado jurídico. Hoje em dia, junto com o conhecimento teórico, é essencial ter dados”, justifica a empreendedora.

Em relação ao futuro, os empreendedores querem desenvolver mais soluções para escritórios pequenos e aumentar o time. Além disso, pretendem continuar contribuindo para a mudança do paradigma jurídico para o universo digital. “O jurídico é visto como o ‘patinho feio’, como a dor de cabeça das empresas. Queremos mudar esse pensamento e mostrar que o jurídico é investimento”, conta Vanessa.

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios de 08 de Abril de 2021

[e-book] O ROI de um Legal Analytics
O ROI ou Retorno Sobre o Investimento, é uma métrica que permite saber se determinado investimento está trazendo lucros ou prejuízos ao seu negócio. Aqui, você conhecerá exemplo de resultados na aplicação de um Legal Analytics no seu jurídico.
Baixar e-book grátis
Dados, insights, inspiração.
Acompanhe as melhores notícias sobre Legal Analytics.
Obrigado por se cadastrar!
Oops! Algo deu errado, tente novamente.
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Deep Legal
Inteligência analítica para parceiros
Legal Analytics para consultorias, empresas de
tecnologia e advogados que queiram aprimorar
a experiência do cliente e alcançar o sucesso.
Veja como
DEEP LEGAL TECNOLOGIA DE DADOS E INFORMAÇÃOESTRATÉGICA LTDA
Rua Luis Seraphico  Júnior, 511 - Coworking Cj 51  - Chácara Santo Antônio - São Paulo/SP